Lei do Governo Digital baseada na LGPD é sancionada com vetos

Lei do Governo Digital
Lei do Governo Digital baseada na LGPD é sancionada com vetos

A Lei n° 14.129/2021 que amplia serviços do governo pela internet, conhecida como Lei do Governo Digital, foi sancionada nesta segunda-feira, 29, com oito vetos. O projeto idealizado na Câmara dos Deputados estabelece regras e instrumentos para a prestação digital de serviços públicos, incluindo aplicativos para celular. 

Visando o aumento da eficiência pública, a  lei prevê a disponibilização de uma plataforma única para acesso às informações e aos serviços públicos. O intuito é possibilitar ao cidadão o acesso a documentos sem necessidade de solicitação presencial, respeitados os parâmetros de autenticidade, de integridade e de segurança adequados. Permanece ainda, a possibilidade de atendimento presencial, de acordo com as características e o público-alvo de cada serviço.

Parágrafo único. Na aplicação desta Lei deverá ser observado o disposto nas Leis nºs 12.527, de 18 de novembro de 2011 (Lei de Acesso à Informação), 13.460, de 26 de junho de 2017, 13.709, de 14 de agosto de 2018 (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais), e 5.172, de 25 de outubro de 1966 (Código Tributário Nacional), e na Lei Complementar nº 105, de 10 de janeiro de 2001.

LEI 14.129/2021

Lei 14.129/2021: Vetos do Presidente

Dentre os vetos feitos pelo Presidente da República que serão analisados pelos parlamentares, estão: 

  • Parágrafo 5° do Artigo 28, no qual diz que o estabelecimento do CPF ou CNPJ como número suficiente de identificação fica sujeito a diretrizes a serem elaboradas pela Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), bem como a relatório de impacto à proteção de dados pessoais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais.
  • Artigo 46, que determina que os experimentos, as ideias, as ferramentas, os softwares, os resultados e os métodos inovadores, desenvolvidos nos laboratórios de inovação financiados por entes públicos, serão de uso e domínio livre e público, compartilhados por meio de licenças livres não restritivas.
  •  Inciso 1º do art. 29, que determina a designação clara e disponibilização dos dados de contato da unidade responsável pela publicação, pela atualização e pela manutenção de cada base de dados aberta, incluída a prestação de assistência quanto ao uso dos dados.

As manifestações sobre os dispositivos vetados também foram publicadas no Diário Oficial da União.

É importante mencionar que a Lei altera a Lei nº 7.116, de 29 de agosto de 1983, a Lei de Acesso à Informação, a Lei sobre a elaboração e o arquivamento de documentos em meios eletromagnéticos, e a Lei de Proteção e defesa dos direitos do usuário dos serviços públicos da administração pública.

A LGPD na Lei do Governo Digital

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), é citada em diversos dispositivos da Lei 14.129/21, além de ser citada como um dos seus Princípios, ela está incluída no Art. 25, que trata sobre as ferramentas de transparência e de controle do tratamento de dados pessoais. No mencionado artigo também é definido que as ferramentas devem ser claras e acessíveis e que devem permitir ao cidadão o exercício dos direitos previstos na LGPD. 

Já o art. 29 da Lei do Governo Digital define que os dados disponibilizados pelos prestadores de serviços públicos e qualquer informação de transparência ativa, são de livre utilização pela sociedade, observados os princípios dispostos na Lei Geral de Proteção de Dados. 

Sobre a Abertura de Dados, o governo vetou o Art. 32, que previa que eventuais inconsistências na base de dados deveriam ser informadas pelos prestadores de serviços públicos, mas não poderiam impedir o atendimento da solicitação de abertura de base de dados. Sobre o veto foi declarado: 

Entretanto, o dispositivo contraria o interesse público, haja vista que, apesar de o caput prever que o CPF e o CNPJ são números suficientes para identificação do cidadão e da pessoa jurídica, o §5º sujeita a aplicação do artigo a uma diretriz da ANPD. Essa condição, além de desarrazoada, fere o interesse público, pois subordina a uma manifestação da ANPD o usufruto, pelos cidadãos, de serviços públicos digitais; impõe a retirada imediata de todos os serviços digitais já disponíveis na plataforma gov.br e documentos hoje existentes e que sustentam os serviços públicos digitais.

Despachos do Presidente da República

Neste artigo, abordamos sobre o Decreto n°10.403/20, que altera regras para Governança de Dados na Administração Pública Federal, publicado em junho de 2020. Nele é definido que a categorização do nível de compartilhamento de dados classificado como restrito ou específico observará as regras de compartilhamento de que trata o art. 31 do Decreto 10.046/2019, no qual está definido que o Comitê Central de Governança de Dados estabelecerá as regras de compartilhamento de dados e segurança.

Acesse a Lei 14.129 na íntegra.

Para Assessoria Jurídica BACEN, Análise Regulatória CVM, Análise de Risco KYC/KYE, Due Diligence e Compliance AML PLDFT para Fintech, contate nossos Advogados

Para mais informações ou se tiver dúvidas sobre Aspectos Regulatórios e Compliance para Fintechs: Assessoria Jurídica BACEN e COAFAnálise Regulatória CVM, Análise de Risco KYC/KYE, Due Diligence GAFI/FATF e Compliance PLDFT (Prevenção a Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao terrorismo – AML – AntiMoney Laundering), entre em contato pelo e-mail contato@blconsultoriadigital.com.br  ou fale com um Advogado online agora.

BL Consultoria e Advocacia Digital

Escritório jurídico voltado para o mundo conectado que busca auxiliar empresas e startups a desenvolverem seus projetos (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação) de forma ética e eficiente com atuação especializada em Direito Digital e Análise Regulatória para novas tecnologias. Estamos localizado em dois endereços: em São Paulo-SP, na Av. Paulista, 575 – conjunto 1903 – Bela Vista, CEP 01311-911 e em Campinas-SP, na Rua Antônio Lapa, 280 – 6o andar, Cambuí. Para mais informações ou consultoria jurídica com nossos advogados, agende uma reunião pelo link ou ligue  +55 11 3090 5979.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Jaqueline Martins
Jaqueline Martins
Graduanda em Jornalismo da Universidade Federal de Alagoas com formação técnica em informática e experiência em pesquisa acadêmica na área de Ciberjornalismo. É voluntária no projeto de extensão Memoráveis Alagoas e estagiária na área de Comunicação e Marketing Digital do BL Consultoria Digital.
Jaqueline Martins
Jaqueline Martins
Graduanda em Jornalismo da Universidade Federal de Alagoas com formação técnica em informática e experiência em pesquisa acadêmica na área de Ciberjornalismo. É voluntária no projeto de extensão Memoráveis Alagoas e estagiária na área de Comunicação e Marketing Digital do BL Consultoria Digital.

Posts Relacionados