Contrato de Mútuo Conversível – Entenda uma das formas que a sua startup pode receber investimento

contrato de mutuo conversivel

Uma das formas de receber investimentos para a startup em fase inicial ou de estruturação é através de investidores-anjo. Provavelmente se você já procurou ou está procurando investidor, deve ter ouvido o termo mútuo conversível. Neste breve artigo vamos explicar o que é um contrato de mútuo conversível, quais são suas principais características e quais as principais cláusulas e pontos de atenção. 

Este conhecimento pode ser muito importante pra hora que você for fechar um contrato de investimento para a sua startup, seja com investidores-anjo, seja com fundos de investimento seed que aportam em startups nascentes. Um contrato de mútuo conversível para fins de investimento na startup pode gerar dores de cabeça, se não for bem estruturado, por se tratar de uma modalidade de investimento de alto risco. 

O que é Contrato de Mútuo Conversível?

O Contrato de Mútuo Conversível é um instrumento jurídico seguro e bem popular, por meio do qual particulares (pessoas físicas ou pessoas jurídicas) podem estabelecer empréstimos sem intermediação de instituição financeira. O contrato de mútuo é um dos instrumentos jurídicos previstos no código civil brasileiro (Art. 586), e é amplamente utilizado em diversas atividades no Brasil, entre ela, para investimentos em startups.

O mútuo conversível possibilita que a dívida resultante desse empréstimo possa ser convertida em participação societária, através da aquisição de quotas da empresa, ou que seja paga em dinheiro com juros, devidamente corrigido conforme prevê o contrato. Ou seja, o investidor conta com proteção patrimonial se escolher essa modalidade de investimento, pois ele é credor, e não um sócio da empresa, enquanto não executa o mútuo.

contrato de mutuo conversivel
Contrato de Mútuo Conversível: Tributação

Contrato de Mútuo Conversível: Tributação

O contrato de mútuo é um contrato de empréstimo, que pode ser feito entre pessoas físicas e pessoas jurídicas, e possui uma diferenciação na incidência de tributos. Caso o contrato de mútuo seja estabelecido entre pessoas jurídicas, há a incidência do imposto IOF (baixa tributação se comparado a outros impostos). Caso o contrato de mútuo for firmado entre uma pessoa física e uma pessoa jurídica (como, por exemplo, um investidor pessoa física e uma startup), não há incidência de IOF.

É necessário ficar atento para que o valor emprestado não se caracterize como doação, nesse caso incide outro tipo de imposto na transação financeira. Outro ponto de atenção é que não se trata de um contrato de compra e venda, portanto, deve ser estabelecido no contrato os termos do empréstimo.

Tributação sobre o Investidor-Anjo

A tributação sobre o ganho de rendimento em startups obedece os mesmos critérios dos investimento de renda fixa. A alíquota de incidência de Imposto de Renda Retido na Fonte varia conforme o prazo de contrato de participação:

  • Alíquota de 22,5% até 180 dias
  • Alíquota de 20% de 181 dias a 360 dias
  • Alíquota de 17,5% de 361 dias até 720 dias
  • Alíquota de 15% superior a 720 dias

Para Cessão de direitos, aplica-se os seguintes critérios:

  • 15% até R$ 5.000.000,00
  • 17,5% até R$ 10.000.000,00
  • 20% até R$ 30.000.000,00
  • 22,5% acima de R$ 30.000.000,00
Soluções Juríficas Cliff Vesting
Assessoria Jurídica para Startup: Solicite uma proposta

Contrato de Mútuo Conversível: Principais Características e pontos de atenção

Quem fará o empréstimo dos recursos é o Mutuante, neste papel pode haver diversas pessoas físicas e pessoas jurídicas. Do outro lado, quem receberá o empréstimo será a Mutuária. Geralmente o contrato de mútuo estabelece para que fim serão utilizados os recursos emprestados mediante esse ato. Para startups, é comum que os recursos financiem a operação da empresa e seja estabelecido um contrato de mútuo conversível. Se o contrato conter a cláusula de condição de uso dos recursos, a Mutuária deverá seguir as orientações do contrato, sob risco de sofrer sanções ou penalidades, de acordo com o estabelecido no contrato.

O contrato de mútuo conversível deve conter os valores dos recursos a serem emprestados e as condições do empréstimo, que inclui prazo para pagamento e juros aplicáveis (Os juros previstos em conratos não devem ser abusivos) e também prazo pra conversão (que pode ser de 24 meses, 36 meses, conforme a negociação), onde o investidor poderia quitar o mútuo e fazer parte da sociedade da empresa através da aquisição de quotas, resultante da conversão da dívida do mútuo.

É importante saber que o contrato de mútuo conversível deve conter a previsão de multas e correção monetária para casos de atraso de pagamento do empréstimo, ou mesmo de não pagamento (caso não haja regras para juros, correção e multas, o contrato de mútuo pode ser descaracterizado e questionado). 

O Contrato de mútuo conversível pode habilitar que o empréstimo realizado pelo mutuante seja convertido em quotas da startup (ações ou participação na startup – equity da startup). Dessa forma, a pessoa ou empresa que aportar na startup faz parte do cap table (tabela de capitalização) da empresa – isso é realizado normalmente através do estabelecimento de Sociedade Anônima, por minimizar o risco aos investidores.

É comum também que seja estipuladas garantias para que o contrato seja feito entre duas partes – O mutuante pode exigir garantias do mutuário para firmar o contrato.

Há de se atentar também para os direitos de pré e pós-conversão do mútuo conversível, onde se determina alguns deveres e direitos do lado do investidor e da startup. O investidor ou os sócios podem exigir antes da assinatura do contrato de mútuo conversível que ele tenha alguns direitos antes da conversão de quotas, ou antes de receber a dívida em dinheiro corrigida.

Essas condições podem englobar o valor de pró-labore dos sócios, valores referentes a investimentos em determinadas áreas da empresa, entre outras condições. Para eventos pós-conversão, podem haver cláusulas com previsão de preferência de venda de participações da startup, por exemplo, entre outras condições.

mútuo percentual da startup
E quanto de percentual devo negociar em minha startup?

Qual percentual devo negociar em minha startup?

É importante que investidor e startup cheguem num acordo sobre o percentual que será convertido, fruto da futura conversão do contrato de mútuo conversível. Startups que cedem muitas quotas aos primeiros investidores não são bem vistas pelo mercado, bem como as startups que cedem poucas e logo precisam fazer uma nova rodada de captação de recursos.

Mútuos são passíveis de execução extrajudicial

Os contratos de mútuos são passíveis de execução extrajudicial, se o contrato for assinado por todas as partes e conter duas assinaturas de testemunhas. Caso ocorra o não pagamento, não é necessário iniciar um processo judicial para cobrança, penhor de bens e inclusão do nome do devedor na lista de inadimplentes. Basta executar a cobrança.

Procure um Advogado para Contrato de Mútuo Conversível e Instrumentos Jurídicos em Geral

Orientamos que investidores e startups sempre elaborem e revisem seus contratos de mútuo conversível com assessoria especializada em contratos empresariais. Entre em contato com nosso escritório e faça um orçamento a respeito de sua necessidade.

Assessoria Jurídica - Cliff e Vesting
Marque um horário com nossos advogados para conversarmos sobre Assessoria Jurídica para sua startup.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Time BL Consultoria
Time BL Consultoria
Time BL Consultoria Digital - Direito Digital e Análise Regulatória
Time BL Consultoria
Time BL Consultoria
Time BL Consultoria Digital - Direito Digital e Análise Regulatória

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *